Polícia Civil elucida latrocínio tentado realizado na zona Leste de Porto Velho

Exame de DNA de confronto de perfis genético realizado pela Politec foi essencial na comprovação da utilização da arma branca contra a vítima

A Polícia Civil do Estado de Rondônia, por meio da Delegacia Especializada em Repressão a Extorsões, Roubos e Furtos (DERF), elucidou um latrocínio tentando realizado no último dia 30 de agosto do ano corrente ocorrido no bairro Tancredo Neves, zona Leste de Porto Velho. De acordo com informações policiais, a vítima trafegava em sua bicicleta em direção ao trabalho quando foi abordada por dois indivíduos identificados como Thiago Almeida Carvalho e Elias do Nascimento Siqueira Júnior, que também estavam de bicicleta.

Na oportunidade, Thiago Carvalho, que estava na garupa, desceu e rendeu a vítima solicitando a mochila que ela portava, assim como, desferiu alguns golpes de canivete. Em seguida, fugiram do local em direção ao bairro Escola de Polícia, onde foram encontrados minutos depois por uma Guarnição da Polícia Militar. No local, Thiago Carvalho, que foi encontrado com o canivete ainda no bolso, confessou ter praticado o roubo e disse aos policiais o local onde escondeu os objetos da vítima. Diante dos fatos, ambos foram conduzidos à Central de Flagrantes. Na Central de Flagrantes, Thiago Carvalho, preferiu ficar em silêncio. O Delegado Plantonista solicitou o exame de eficiência no canivete usado contra a vítima, em seguida, encaminhou o Inquérito Policial para a Delegacia responsável.

Já na Delegacia Especializada em Repressão a Extorsões, Roubos e Furtos (DERF), o caso foi conduzido pelo Delegado da Polícia Civil, André Tiziano, que é o titular. A Delegacia Especializada iniciou os trabalhos de investigação e solicitou o Exame de DNA para comprovar se os fragmentos de sangue encontrado no canivete era mesma da vítima, já que o acusado Thiago Carvalho, ficou em silêncio durante seu depoimento. A arma branca foi encaminhada para a Politec para a realização do trabalho de perícia.

André Tiziano, Delegado da Polícia Civil, revela a importância dessa nova tecnologia disponível para o segmento da Segurança Pública. “A parceria da Polícia Civil e Superintendência de Polícia Técnico-Científica (Politec) tem garantido mais eficiência nas provas, pois o Exame de DNA, quando realizado o confronto de perfis genéticos entre os fragmentos de sangue encontrados na superfície do canivete e exames de partículas da vítima foram essenciais na comprovação do instrumento utilizado. Isso só foi possível com a disponibilização desta nova tecnologia”, explica o Delegado.

Vale ressaltar que ambos os acusados estão recolhidos no sistema prisional local e aguardam a manifestação da Justiça.

Sobre ASCOM