Polícia Civil deflagra operação e prende vereadores e secretários de Governador Jorge Teixeira

A Polícia Civil do Estado de Rondônia, deflagrou na manhã desta segunda-feira (30/07), a operação denominada “Abrindo o Jogo” com objetivo de prender os principais suspeitos pela tentativa de homicídio contra o radialista Hamilton Alves. Cerca de 100 policiais civis participaram da ação que resultou na condução de 25 pessoas, sendo que 10 destes foram conduzidos até o presídio local.

O trabalho de investigação iniciou após o atentado contra o radialista Hamilton Alves, ocorrido no dia 20 de Abril.“Logo depois do crime foi descoberto um grupo criminoso atuando na cidade de Governador Jorge Teixeira. As investigações foram ampliadas e tudo que o radialista havia informado realmente acontecia no município”, disse o delegado Cristiano Matos, que conduziu o caso.

Foram solicitados a Justiça o cumprimento de 10 mandados de prisão e 15 de busca e apreensão. As prisões ocorreram em Governador Jorge Teixeira e os detidos foram conduzidos até a Unisp de Jaru para os procedimentos legais e, em seguida, os que tiveram prisão decretada, foram encaminhados ao presídio local.

Os presos são: Antônio Marcos Diógenes Cavalcante, vulgo “Paçoca” (vereador), Eranides Pereira Santana (Vereadora), Neusa de Almeida Santos (Vereadora), André Willian de Almeida Ferreira, vulgo “Dedé” (Filho da Vereadora Neusa), Arnaldo Almeida Santos (Filho da Vereadora Neusa), Douglas Almeida Ferreira, Presidente da CPL e pregoeiro (sobrinho da vereadora Neusa), Raimundo José Coti, vulgo “Raí” ( Proprietário da empresa de Ônibus escolares), Teotônio Gomes Ferreira (Empresário), Thiago Cirilo Simões (Empresário), Nivaldo Moraes Aguiar, Nelci Alves de Oliveira (Contadora), Leoni Aparecida Cardoso da Silva ( Secretária municipal de Educação e Cultura).

Foram localizadas ainda 04 armas de fogo com os envolvidos, sendo duas na casa dos irmãos Dedé e Arnaldo, ambos filhos da vereadora Neusa, um terceiro revólver com o Raí (Proprietário da empresa de ônibus) , e uma quarta arma com Marcos Brasil, este que foi conduzido para prestar esclarecimentos no caso, mas após ser ouvido e realizado o pagamento de fiança por posse de arma, o mesmo foi liberado.

Histórico

É importante mencionar que o trabalho investigativo inicial conseguiu identificar o suposto mandante do crime contra o radialista, assim como, a Polícia Civil identificou outras modalidades de crime que eram na época eram denunciadas pelo radialista que sofreu o atentado, envolvem corrupção, associação criminosa, fraude a licitação envolvendo empresa de transporte escolar do município de Governador Jorge Teixeira. A prisão dos envolvidos tem relação com a tentativa de homicídio e com os crimes mencionados acima.

Sobre ASCOM